"PRUDENTES COMO AS SERPENTES"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur
P – Uma recomendação de Jesus aos discípulos escandaliza, ainda hoje, certos livre-pensadores: “Sede prudentes como as serpentes”. Como Espírito da Verdade interpreta essas palavras?


R – Realmente, disse o Mestre: "Sede simples como as pombas, mas prudentes como as serpentes”. Tendo de fazer triunfar a Divina Moral que pregavam, os apóstolos, para o conseguirem, DEVIAM EMPREGAR OS MEIOS QUE SE TORNASSEM NECESSÁRIOS MAS CONSERVANDO ÍNTEGRA A PUREZA DE PENSAMENTO E DE AÇÃO. Não acredites, jamais, que – para obterdes o triunfo real, das vossas máximas, das verdades imutáveis que pregais – devas falar em todas as ocasiões no mesmo tom. Não, A CIÊNCIA DO PREGADOR ESTÁ EM APROPRIAR SUA LINGUAGEM ÀS INTELIGÊNCIAS DAQUELE A QUEM FALA. Se traçardes e seguirdes sempre uma só norma de proceder, em tal matéria, tereis bom êxito com uns e sereis mal sucedidos com outros; TENDE, PORTANTO, A PRUDÊNCIA DAS SERPENTES. Não é que possais fazer vítima, nem sufocar o desgraçado que o apanheis; e que, falando aos Espíritos orgulhosos e suscetíveis, cumpre avanceis com prudência. Envolvei-os destramente com os vossos raciocínios, atai-os com os vossos exemplos, de tal modo que, quando perceberem que procurais apoderar-vos deles, não mais lhes seja possível evitar essa benéfica “prisão” da Moral do Cristo. Mas, para chegar-vos a semelhante resultado, nunca empregueis senão os meios que a Boa Vontade vos faculte. SOBRE VÓS MESMOS É QUE DEVEIS EXERCER TODO O VOSSO IMPÉRIO, DE MODO QUE AS VOSSAS "VÍTIMAS" SÓ O SEJAM DO VOSSO AMOR SEM LIMTES, NASCIDOS DO NOVO MANDAMENTO DE JESUS. Sim, sede prudentes porque também – como advertiu o Mestre - “sereis levados, por minha causa a presença dos governadores e dos reis, para dardes testemunho de mim diante deles e diante das nações. Quando vos fizerem comparecer, quando vos conduzirem às suas Sinagogas, à presença dos magistrados e dos poderosos, não vos cause inquietação o COMO HAVEIS DE FALAR, nem o que pensareis, nem que respondereis; o que tiverdes que dizer vos será dado na ocasião, pois o Espírito Santo vos ensinará, no mesmo instante, o que houverdes de expressar, "POIS NÃO SOIS VÓS QUEM FALARÁ, MAS O ESPÍRITO DE VOSSO PAI QUE FALARÁ EM VÓS". Se os Apóstolos não fossem prudentes, se não depositassem confiança no Mestre, eles que eram homens saídos do povo, sem educação, sem maneiras, sem requintes, não teriam caminhado para a frente. A desconfiança de si mesmos os teria paralisado. Mas, certos de que a inspiração do Espírito Santo os iriam amparar. AVANÇARAM COM PASSO FIRME PARA TODAS AS LUTAS. As ciências, latentes neles, se desenvolveram; a assistência dos Espíritos do Senhor os fortificou; a fé inabalável os impeliu e a obra se executou, de modo tanto mais frisante, tanto mais notável para as massas, quando NINGUÉM IGNORAVA DE ONDE PROVINHAM AQUELES HOMENS QUE, COM TAMANHA FACILIDADE FALAVAM AS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS, DEFENDIAM COM SUMA ELOQUÊNCIA A SUA PRÓPRIA CAUSA E AS DE SEUS IRMÃOS DE HUMANIDADE. Mostravam em tudo, finalmente, um saber, um cabedal de conhecimentos que ninguém poderia supor que possuíssem. Notai, de passagem, que em parte alguma se diz que qualquer um deles era senhor de todas as ciências. Cada um tinha suas especialidades, DE ACORDO COM OS ANTECEDENTES DA SUA EXISTÊNCIA.
"OVELHAS NO MEIO DE LOBOS"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur
Estas palavras do Mestre, conquanto aplicáveis a todas as épocas e a todos os Homens de Boa Vontade, eram dirigidas principalmente aos Apóstolos, e se referiam às perseguições físicas. Jesus os prevenia da sorte a que iam estar sujeitos, eles e seus seguidores, nos séculos que se seguiriam ao cumprimento da sua missão terrena, ATÉ AOS TEMPOS EM QUE A INTOLERÂNCIA, O FANATISMO, A IGNORÂNCIA, A SUPERSTIÇÃO, A AMBIÇÃO INSACIÁVEL E O DESPOTISMO RELIGIOSO DEIXARIAM DE TER SOB O SEU DOMÍNIO E POR AUXILIARES OS REIS, OS MAGISTRADOS, O BRAÇO SECULAR; EM QUE DEIXARAM DE FAZER VÍTIMAS POR MEIO DAS TORTURAS, DOS AUTOS DE FÉ, DAS FOGUEIRAS INQUISITORIAIS, E CEDERIAM LUGAR, RESPEITADA A VIDA DO HOMEM, A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA E AO LIVRE EXAME, TARDIAMENTE PROCLAMADAS ENTRE VÓS E DESFRUTADAS PELOS POVOS CIVILIZADOS. “Eu vos envio (dizia o Mestre aos discípulos) como ovelhas para o meio de lobos. O irmão dará morte ao irmão e o pai ao filho; os filhos se revoltarão contra os pais e os farão morrer”. Dessa forma, ele vos avisava das perseguições físicas, que teriam de sofrer e das dissensões que surgiriam no seio da Pátria, da família e nos lugares mais íntimos do lar doméstico. Também vós, apóstolos da Nova Revelação, deveis esperar as perseguições, senão físicas, pelo menos morais. É uma lei humana: TODOS OS QUE SE ACHAM MAIS ELEVADOS DO QUE AQUELES QUE OS CERCAM PROVOCAM O INVEJA DESTES. No século que atravessais, no qual predomina o amor ao dinheiro, às dignidades, às honrarias, aos gozos materiais, à superstição e à religião das conveniências, geralmente os homens (apenas sob o ponto de vista material) despertam a inveja daqueles que o cercam, pela fortuna que possuem ou pela inteligência que demonstram no que diz respeito às coisas do mundo. Entretanto, não vos iludais: o sarcasmo, a ironia, o deboche SÃO A MÁSCARA QUE COBRE O SENTIMENTO INSTINTIVO DA INVEJA. Os que zombam de vós sentem, no fundo de seus corações, que caminhais com mais segurança do que eles e, por isso mesmo, que mais depressa alcançareis a meta. As perseguições de que já sois (e ainda sereis) alvo constante, são estas: os escribas e fariseus de vossos dias vos atingirão com seus ódios e suas injúrias, formulando contra vós as mesmas acusações que faziam a Jesus: agentes do demônio, da charlatanice e da loucura. Pois eles são de tal feitio que – a fazerem qualquer esforço por galgar o cimo da montanha, para ali respirar um ar puro e vivificante – preferem miná-la pela base, correndo o risco de serem esmagados pelo seu desmoronamento. Esta a razão porque toda inteligência superior se torna objeto das perseguições da ignorância, da cupidez, do orgulho e do egoísmo – principalmente quando se constitui, na ordem moral e na ordem intelectual instrumento de uma verdade nova, de um novo progresso e como tal se choca, INEVITAVELMENTE, com os “prejuízos”, as idéias aceitas (e tão cômodas), os interesses e as paixões de toda ordem. SOMENTE A DOR DAS PROVAÇÕES E DAS EXPIAÇÕES SUCESSIVAS PODERÁ HUMANIZAR E, DEPOIS, ESPIRITUALIZAR ESSAS NATUREZAS ANIMAIS!



"O PÓ DAS SANDÁLIAS"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur
P – No mesmo capítulo, disse Jesus aos seus discípulos: “Quando encontrardes pessoas que não vos queiram receber nem escutar, sacudi – ao vos retirardes – a poeira dos vossos pés, a fim de que isso constitua um testemunho contra elas. Em verdade vos digo; no dia do juízo haverá menos rigor para Sodoma e Gomorra do que para essa cidade”. Perguntamos ao Espírito da Verdade: – Quais são, despojados da letra o Espírito, o sentido e alcance dessas palavras?


R – Tais palavras, segundo o pensamento do Mestre, foram ditas para aquela época e para os tempos vindouros. Dirigiam-se, não só aos discípulos de então como também aos que viriam a ser discípulos na Era Nova. Aqueles, quem o Senhor envia a Luz e que recusam aceitá-la, são mais culpados que os infelizes, imersos nas trevas, QUE NENHUM SOCORRO DIRETO RECEBEM PARA SAIR DELAS. Não vos conserveis perto dos primeiros: não percais vosso tempo que é precioso: ide pois trabalhar sempre na Vinha do Senhor. Ela se abre em aléias diante de vós e borda o caminho, mas nem todas as cepas são boas. Ao tentardes melhorar aquelas que vos pareçam estéreis, se virdes que – apesar de todos os vossos esforços – não dão fruto algum, deixai-as se tempo ainda não chegou. Passai a outras em que, com inteligentes e afetuosos cuidados, podereis observar o desenvolvimento dos sucos, que dão força e vida. Não percais o vosso tempo. Trabalhai sempre com ardor. MAS TRABALHAI CAMINHANDO PARA FRENTE, POIS TENDES DE PERCORRER ESTRADA MUITO LONGA PARA CHEGARDES AO FIM. Sim no dia do juízo, haverá menos rigor para Sodoma e Gomorra, isto é para com os Espíritos culpados que, afogados nas trevas, não tiveram socorro direto para saírem delas, do que para os Espíritos rebeldes que recusaram receber a Luz que o Mestre, ainda hoje, lhes envia por meio de seus novos discípulos. Sim, quem rejeitou os socorros para se tornar melhor É UM ESPÍRITO OBSTINADO NO MAL, E LONGA SERÁ POR ISSO, A DURAÇÃO DAS SUAS PROVAS E EXPIAÇÕES: INFINIDADE DE SOFRIMENTOS CORRESPONDENDO A INFINIDADE DE FALTAS. Quer dizer: os sofrimentos ou torturas morais, apropriados e proporcionais às faltas, ao grau de culpabilidade, suportados na erraticidade após a morte, ao fim de cada existência sucessiva, e a reencarnação nos mundos inferiores, SE REPRODUZIRÃO, PARA O ESPÍRITO CULPADO, ATÉ QUE POR MEIO DE PROVAÇÕES BEM SOFRIDAS, DEIXE ELE DE SE MANTER REBELDE À LEI DE REPARAÇÃO E DE PROGRESSO, SEGUNDO A QUAL SE PURIFICARÁ PARA TOMAR LUGAR ENTRE OS BONS ESPÍRITOS; ISTO OCORRERÁ QUANDO, POR SE HAVER TORNADO INCAPAZ DE PRATICAR O MAL, SÓ DESEJE PRATICAR O BEM.

"QUEM É JUSTO"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur



Entrando na casa do justo, os discípulos pediam as bênçãos do Senhor e, portanto, A PROTEÇÃO DOS BONS ESPÍRITOS PARA AQUELE QUE OS ACOLHEU. Se, no entanto, era falsa a apreciação humana, se o homem considerado justo por seus irmãos era velhaco e mentiroso, um rematado hipócrita, COMO O HOMEM PODE ILUDIR OS OUTROS MAS NÃO ILUDE A DEUS, AS BENÇÃOS – EM VEZ DE DESCEREM SOBRE ELE – CAÍAM SOBRE O QUE SE MOSTRAVA DIGNO DELAS. Afastavam-se do falso e se aproximavam do puro. Quereis saber quem é justo, e nós respondemos: O JUSTO É AQUELE QUE SE ESFORÇA POR TRILHAR O CAMINHO DO MESTRE E JAMAIS SAIR DELE. É aquele que pratica as virtudes impostas ao homem como condição para chegar a Deus; o que pratica a verdadeira Caridade do Novo Mandamento; o que se oculta, vela seus atos e palavras, se faz humilde no SEGREDO DO CORAÇÃO, porquanto – se sois caridosos, mas confiais em que praticastes um ato meritório DE QUE OS OUTROS NÃO SERIAM CAPAZES – insignificante é o vosso mérito! O justo é aquele que faz o Bem sem egoísmo, sem idéia preconcebida, sem esperar o reconhecimento dos beneficiados ou o louvor dos indiferentes e, ainda mais, SEM CONTAR COM A RECOMPENSA DO MESTRE. O justo é aquele que tem a fé inabalável, que a tudo resiste, que não se impõe pela força, mas se patenteia na prática das boas obras, pela palavra e pelo exemplo. A fé que pode levar os outros homens a dizerem dele: - Por que não tenho a sua fé? Eis aí um JUSTO AOS OLHOS DE DEUS!
"A INSTRUÇÃO ESPIRITUAL"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur

P – Como o Espírito da Verdade está procedendo à revisão das Revelações conhecidas, gostaríamos de saber – face nos termos dos versículos 9 e 10 de Mateus, 8 e 9 de Marcos, 3 de Lucas – quais foram, NA REALIDADE, as palavras ditas por Jesus e qual o seu significado real. É possível?

R - As palavras realmente ditas pelo Mestre são: “Não tenhais e não leveis convosco nem alforje, nem pão, nem ouro, nem prata, nem moeda nos vossos cintos; não tenhais duas túnicas; toma um bordão, para vos apoiardes durante a viagem, e colocai aos pés sandálias para suportardes a caminhada”. Por essa ordem, diretamente dada aos seus Apóstolos, O CRISTO ENSINAVA A HOMENS MATERIAIS O DESPREZO DOS BENS TERRENOS E A CONFIANÇA INABALÁVEL NA PRESENÇA E NO PODER DE DEUS. Para os homens dos vossos dias, mas principalmente para vós, consideradas aquelas palavras como ditas por Jesus tendo em vista o futuro, o ensino é este: “Não ligueis vossa missão as coisas transitórias, mas aquelas que não perecem; não cuideis antecipadamente de vos proverdes de erudição e ciência humana, E SIM DE VOS INSTRUIRDES NO QUE CONDUZ A VIDA ETERNA.” Não quer isto dizer que vos concitamos a desprezar os estudos e os cuidados que a vossa existência reclama. Esta apresenta exigências, a que vos deveis submeter: é uma obrigação a cumprir MAS NÃO DEVEIS TORNÁ-LAS O OBJETIVO ÚNICO DE TODA A VOSSA VIDA. Armazenai, portanto, pão que sustenta o corpo, tanto para vós como para os vossos irmãos que não tiverem podido fazer o mesmo; MAS ARMAZENAI, SOBRETUDO, O PÃO DA VIDA. Sim deveis adquirir a instrução necessária ao desenvolvimento da vossa inteligência. MAS TRATAI DE ADQUIRIR, PRINCIPALMENTE, A INSTRUÇÃO ESPIRITUAL QUE VOS LEVARÁ AO BOM TÊRMO DA VOSSA MISSÃO – EVANGELIZAR E APOCALIPTIZAR AS MASSAS TÃO NECESSITADAS DE AMPARO NA HORA DO PRÓXIMO E ÚLTIMO ARMAGEDON DESTE CICLO.



"HONESTIDADE NAS COISAS DE DEUS"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur

P – Os ensinamentos do Espírito da Verdade são de uma clareza meridiana. Por isso, perguntamos ao Paráclito: – Qual o sentido das palavras de Jesus: “Dai de graça o que de graça recebeis”?
R – No pensamento do Mestre essas palavras eram ditas para aquele momento e também para o futuro. A mediunidade ou carisma, as faculdades que os Apóstolos possuíam, a assistência e o concurso dos Espíritos puros e dos Superiores eram, ao mesmo tempo e concomitantemente, os meios pelos quais, no desempenho de suas missões, eles pregavam o Evangelho, anunciavam o Reino de Deus, curavam as moléstias e as enfermidades, ressuscitavam os que eram considerados mortos, expulsava os demônios ou maus Espíritos. E esse carisma, essas faculdades mediúnicas, essa Assistência e esse concurso ERAM UM DOM GRATUITO DE DEUS DIZENDO AOS APÓSTOLOS ”DAI DE GRAÇA O QUE RECEBEIS DE GRAÇA”, JESUS LHES ENSINAVA QUE AS COISAS DE DEUS JAMAIS DEVEM CONSTITUIR OBJETO DE TRÁFICO, DE ESPECULAÇÃO, DE MEIO DE EXISTÊNCIA MATERIAL HUMANA.Isto é: no desempenho das missões de que se achavam investidos, suas palavras e seus atos não deviam ter por móvel senão o amor a Deus, o amor desinteressado ao próximo, a mais completa humildade. Pois aquelas palavras também eram dirigidas aos que – médiuns, investidos de faculdades mediúnicas, para o serviço divino – SERIAM OS INTÉRPRETES E OS INTERMEDIÁRIOS DOS BONS ESPÍRITOS JUNTO DOS HOMENS. Sim, eram dirigidas a todos os que Apóstolos da nova Revelação, inspirados pelos Espíritos do Senhor, seriam chamados a pregar a LEI DE JESUS, QUE É O NOVO MANDAMENTO, EXPLICADA EM ESPÍRITO E VERDADE. O Cristo, por nosso intermédio, diz a todos vós como disse aos Apóstolos: “DAI DE GRAÇA, SEGUINDO-LHE AS PEGADAS, O QUE DE GRAÇA TENDES RECEBIDO”; PORQUANTO, PARA VÓS COMO PARA ELES, TUDO VEM DE DEUS E VOS É DADO DE GRAÇA, A FIM DE CUMPRIRDES HONROSAMENTE A VOSSA MISSÃO.
"O PODER E A AUTORIDADE"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur
Os Apóstolos aprovados eram Espíritos evoluídos, encarnados em missão, e que aceitaram as condições rigorosas da primeira fase de suas existências humanas, FASE QUE LHES PRECEDEU A VOCAÇÃO, A FIM DE CONCORREREM PARA A OBRA DE REDENÇÃO DA HUMANIDADE. Em seus trabalhos tiveram o auxílio dos Espíritos Superiores, que os acompanharam sempre, neutralizando neles a influência da carne sobre o Espírito, adicionando-lhes às faculdades aquelas de que dispunham, DESSE CONCURSO RESULTARAM AS GRANDES COISAS QUE OS APÓSTOLOS REALIZARAM, depois da ascensão de Jesus, Eles aceitaram aquela existência humana, cuja primeira parte devia transcorrer em condições tão humildes quanto vulgares, para melhor fazerem sentir a transformação do portageiro, do pescador inspirado, manejado, de todos os idiomas, capaz operar “milagres” à vista das multidões maravilhadas. Assim, Jesus deu aos Apóstolos poder e autoridade sobre todos os maus espíritos, o poder de curar todos os males e enfermidades, de restituir a saúde aos doentes, de ressuscitar os mortos, de purificar os leprosos, de expulsar os demônios (obsessores) - dando-lhes a assistência, e apoio e o concurso dos Espíritos Superiores, sustentados estes pelos Espíritos Puros que tem PODER IMEDIATO sobre todos os Espíritos maus, bem como o de curar todas as enfermidades e RESSUSCITAR OS MORTOS SEGUNDO O ENTENDER DOS HOMENS. Os Apóstolos - já o sabeis - eram médiuns, quer dizer: intermediários dos Espíritos Superiores que os assistiam, junto aos homens. Com o auxilio das faculdades mediúnicas, sob a ação e a influência mediúnicas, é que eles falavam e operavam, contribuindo para a Obra de Regeneração Humana. Para expulsarem os maus Espíritos, isto é, PARA LIBERTAREM OS HOMENS DA SUBJUGAÇAO, TANTO CORPORAL COMO ESPIRITUAL OU MORAL, ORDENAVAM AOS OBSESSORES QUE SE AFASTASSEM DA VITIMA, EMPREGANDO AS MESMAS PALAVRAS DE QUE USAVA O MESTRE: “SAI DESSE HOMEM!” E os obsessores se afastam no mesmo instante, por ato da vontade dos Espíritos Superiores. Para restituir a saúde aos doentes, limpar os leprosos, curar todos os males e enfermidades, impunham as mãos e ungiam com óleo os enfermos, operando pela própria vontade e pela ação magnética humana. Ao mesmo tempo, os Espíritos Superiores, associando sua vontade à deles POR MEIO DO MAGNETISMO ESPIRITUAL, escolhiam e lhes punham, ao alcance, os fluidos apropriados aos eleitos, aos resultados que tinham de ser obtidos, à cura que se havia de operar. Entendei: UNGIAM COM ÓLEO, MUITOS DOENTES APENAS PARA TORNAR A AÇÃO QUE EXERCIAM MAIS COMPREENSÍVEL AOS HOMENS. NENHUMA NECESSIDADE TINHAM, PARA OBTEREM A CURA, DE RECORRER A ESSES MEIOS MATERIAIS, EXTERNOS, PORQUANTO A MÃO DO MAGNETIZADOR HUMANO OU A VONTADE DO CRISTO TERIAM ENVIADO, SEM ISSO AO ORGANISMO DOENTE OS FLUIDOS DE QUE SE ACHAVA CARREGADO O ÓLEO. Aplicando o das oliveiras, usavam dos meios postos a seu alcance, a fim de mostrarem que tudo pode servir para a execução dos desígnios de Deus, quando se tem a fé inabalável. Quanto às palavras “RESSUSCITAI OS MORTOS”, tratai de compreendê-las em Espírito e Verdade. As Leis Naturais, que Deus estabeleceu desde toda a eternidade, são IMUTÁVEIS, e a vontade – também imutável – do Criador NÃO AS DERROGA NUNCA, NEM JAMAIS FORÇA O ESPÍRITO A SE UNIR A PODRIDÃO, ISTO É, AO CADÁVER. Jesus precisava, para o bom êxito de sua missão terrena, para que ela produzisse os devidos frutos naquele momento e no futuro, impressionar fortemente a imaginação dos homens atrasados da época, apropriando, ao mesmo tempo, a linguagem às crenças e os preconceitos dos hebreus. Precisava preparar as gerações que teriam de receber, nos tempos determinados pelo Senhor e quando o indispensável progresso estivesse realizado, a Nova Revelação que fora predita e vos é trazida hoje pelo Espírito da Verdade. O estado cataléptico, reconhecido mais tarde, era quase ignorado dos antigos que, solícitos em afastar de si os focos de infecção, QUEIMAVA SEUS “MORTOS” OU OS ENCERRAVAM EM TÚMULOS, LOGO QUE SE APRESENTAVAM SINAIS INDICADORES (PARA ELES) DA CESSAÇÃO DA VIDA! Muitas expiações, pelo fogo ou pela fome, assim se verificaram naquelas épocas em que a ignorância dos homens servia para que muitos pagassem crimes cometidos em existências anteriores. Dissemos que os antigos quase ignoravam o estado cataléptico, porque somente alguns homens – mais adiantados – tinham dele noção; esta era, porém, muito vaga, porque, não a compreendiam, nem espiritual nem cientificamente. Os Apóstolos, os discípulos, a multidão em volta, a turba do escribas, dos fariseus e dos sacerdotes O DESCONHECIAM COMPLETAMENTE. Os Evangelistas, médiuns historiadores inspirados, reproduziram (debaixo da influência e da inspiração mediúnicas) tal qual Jesus as pronunciara, estas palavras: “Ide...e ressuscitai os mortos”. Empregaram as expressões de que dispunham para relatar os fatos, mas SEM POSSUÍREM O SEGREDO DO PENSAMENTO QUE JESUS OCULTAVA SOB AQUELAS PALAVRAS, AS QUAIS – PARA ELES COMO PARA OS OUTROS HOMENS – FICAVAM SUJEITAS AS INTERPRETAÇÕES HUMANAS. Já o dissemos e insistimos; todas as ressurreições de pessoas consideradas mortas pelos homens - tanto no Velho quanto no Novo Testamento da Bíblia Sagrada – não foram mais que a suspensão do estado cataléptico. Todos os indivíduos tidos por mortos estava nesse estado, não se havendo produzido neles o rompimento do laço que prende o Espírito ao corpo. Considerados por todos como mortos, mortos teriam eles ficado, realmente, sem socorro dos Espíritos Puros e dos Espíritos Superiores, os quais – com a sua vontade poderosa e com o seu poder magnético – assistiam tanto os Profetas (que inconsciente desse concurso, atribuíam à ressurreição do “morto” a uma ação direta de Deus) quando os Apóstolos (que também inconscientes dessa presença, atribuíam, todas as “ressurreições” a ação direta do próprio Jesus). Mas – quer com relação aos Profetas, quer com relação aos Apóstolos – os Espíritos Puros e os Espíritos Superiores agiam sob a direção do Cristo, pois, como sabeis e jamais podereis perder de vista: Jesus é O PROTETOR E GOVERNANTE SUPREMO DO VOSSO PLANETA. PRESIDIU A SUA FORMAÇÃO E DESDE ESSES TEMPOS IMEMORIAIS, O DIRIGE, COMO TAMBÉM A HUMANIDADE TERRENA, QUE SERÁ POR ELE CONDUZIDA À PERFEIÇÃO.



"IDE E PREGAI"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur


Quanto a primeira, Jesus queria – antes de tudo – ensinar o apoio aos parentes, estreitando aos olhos dos homens os laços da fraternidade, da família e da pátria. Igualmente, queria evitar se agitassem desde logo os preconceitos dos judeus, que se julgavam OS ÚNICOS APTOS A RECEBER OS BENEFÍCIOS DE DEUS. Esses gritariam: ”Sacrilégio” se vissem os discípulos do Cristo falando de arrependimento e pregando a Palavra do Senhor aos que eles, os hebreu, consideravam excluídos pelo próprio Deus da parte da herança que lhes devia tocar. Assim a pregação dos gentios se faria mais tarde, a tempo e hora. Os samaritanos como sabeis, formavam seita dissidente do hebraísmo. E gentios eram TODOS OS QUE NÃO PROFESSAVAM A FÉ DOS JUDEUS. Quanto a segunda entendei: o Reino de Deus está próximo todas às vezes que o homem aceita os meios de chegar a esse reino. O Cristo ensinava aos homens as virtudes humanas, que lhes poderiam abreviar a série das provações terrenas. Portanto, O REINO DE DEUS ESTAVA PRÓXIMO PARA OS QUE LHE SEGUIAM OS ENSINAMENTOS. Ainda hoje, hoje mais do que então, Jesus – por nosso intermédio - diz aos verdadeiros cristãos: - O Reino de Deus está próximo porque não mais se vos apontam CAMINHOS INDIRETOS para chegardes lá. Não vos podeis mais extraviar, tomando FALSA DIREÇÃO. Servindo-se dos ESPÍRITOS DO SENHOR, que vos trazem a Nova Revelação. Ele vos mostra a estrada reta e contínua em que todos vos deveis entrar. Ele vos assinala previamente esta Revelação, os obstáculos que vos detiveram os passos até agora, e diz: - EVITAI-OS! EU VOS ESTENDO AS MÃOS PARA VOS AJUDAR A TRANSPÔ-LOS! E vos mostra os sítios de repouso, onde reporeis as forças gastas na jornada: a prece, o amor e a fé, praticados sinceramente e não apenas com os lábios. Mostra-vos a verdade, a vos clarear o caminho com o seu facho divino, caído o véu que, por tanto tempo, vos impedia de ver essa claridade libertadora do Evangelho, que restitui a vista aos cegos. Mostra-vos a esperança, a vos estender a mão e vos conduzindo ao lugar em que descansareis. E vos mostra o amor que, poderoso do vosso Deus, abrindo-vos as portas do santuário, pensando-vos as chagas, curando-vos as feridas; o amor que, no limiar da morada celeste; vos diz: VINDE TODOS VÓS, QUE CHAMEI DOS QUATRO CANTOS DO MUNDO E REPOUSAI DE TODAS AS VOSSAS DORES! Não vos equivoqueis quanto ao sentido destas palavras figuradas que acabamos de vos dirigir, e que a vossa inteligência pode facilmente compreender. O LUGAR EM QUE DESCANSAREIS é o espaço infinito, onde os Espíritos bem-aventurados gozam, numa eterna atividade, da alegria dos eleitos, QUE TODOS OS HOMENS SÃO CHAMADOS A GOZAR E DA QUAL TODOS GOZARÃO. Esse repouso, ou descanso, exprime a calma do Espírito que chegou ao termo de suas provações, mediante a comparação com um viajante extenuado, que alcançou o lugar em que repousará, depois da fadiga da marcha e dos rigores do sol. Mas, bem o sabeis, tanto para o Espírito que chegou ao fim de suas provações, como para aquele que percorre o caminho delas, O TRABALHO E NÃO A INÉRCIA NUMA CONTEMPLAÇÃO ETERNA, CONSTITUI A LEI IMUTÁVEL, DENTRO DA ETERNIDADE, NA CONDIÇÃO DE OBREIRO E SERVO DO PAI QUE TRABALHA SEMPRE, QUE CRIOU, CRIA E CRIARÁ INCESSANTEMENTE! Todavia, para o Espírito que chegou ao fim de suas provações, o trabalho não é o que é para vós. Ele encontra no trabalho uma alegria imensa, complemento da que lhe está prometida. O trabalho, para nós, é MIL VEZES MAIS SUAVE DO QUE, PARA VÓS, O REPOUSO INDOLENTE DA EXISTÊNCIA TERRESTRE.
"LIGAR E DESLIGAR"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur
Os verdadeiros sucessores dos Apóstolos de Jesus podiam alcançar o s mesmos privilégios, COM A CONDIÇÃO DE ADQUIRIREM E MANTEREM A MESMA PUREZA, ASSIM É QUE AQUELES DENTRE VÓS QUE TENTAREM, COM TODAS AS SUAS FORÇAS, ELEVAR-SE AO SENHOR, PORÉM LIGAR E DESLIGAR NA TERRA CERTOS DE QUE LIGARAM E DESLIGARAM, IGUALMENTE, NO CÉU. Mas a acepção verdadeira, na qual a vossa humanidade deve entender essa faculdade, é a seguinte: homem não pode traçar linhas de conduta que o Senhor haja de seguir, nem, portanto, lhe ditar suas maneiras de ver. O Espírito encarnado, porém, tendo atingido, certo grau de elevação, pode e deve compreender de antemão, as vontades do Supremo Juiz. Eis por que, pelos atos humanos, o mesmo Espírito se encontra em estado de sentir, dentro de si mesmo, a sentença que será proferida e, pela sinceridade do arrependimento, a indulgência com que o Juiz sentenciará. Tal o sentido em que deveis entender aquelas palavras, que o orgulho humano falseou, fazendo-as imprimir um ato arbitrário (arrogando-se o poder de absolver ou condenar, concedendo ou recusando a absolvição, de perdoar ou não os pecados, não como simples declaração MAS COMO SENTENÇA PROFERIDA EM JULGAMENTO); um tráfico vergonhoso pela venda de indulgências, e não uma faculdade altíssima, de cujo uso aquele que tais palavras abusaram SENTIAM BEM, E SENTEM HOJE MAIS DO QUE NUNCA, SER INCAPAZES. Servindo-nos dos termos ligar e desligar, empregamos as expressões e as Escrituras adota, e que explicaremos de modo especial, quando chegar à ocasião. Os discípulos fiéis de Jesus eram Espíritos elevados que não se deixavam dominar pelo sentimento da animosidade pessoal e que, com segurança, julgavam do Espírito e não do homem, visto que se achavam em condições de apreciar (pela inspiração que recebiam sob a influência e a ação espirituais) o valor daqueles a quem se dirigiam. Se, portanto, encontravam Espíritos retos e humildes, eles os abençoavam exortando-os a seguir a trilha do único Mestre; e Jesus lhes aprovava o proceder. Se, ao contrario, se viam diante de Espíritos atrasados, cujas provas longe estavam de chegar a seu termo, rebeldes ao que eles pregavam, sacudiam contra esses a poeira que traziam nos pés, isto é, se afastavam, porque OS ESPÍRITOS DE ORDEM SUPERIOR NÃO SE JUNTAM AOS ESPÍRITOS CULPADOS E SOBRE ESTES DEIXAVA O SENHOR CAIR O PESO DA EXPIAÇÃO, POR MAIS DOLOROSA QUE TIVESSE DE SER; E AÍ ESTÃO OS FRUTOS DO ERRO DA IGREJA, APOIANDO-SE NAS PALAVRAS QUE JESUS DIRIGIA A ESPÍRITOS EM MISSÃO NA TERRA, ELA ACREDITOU PODER APOSSAR-SE DA HERANÇA DE INFALIBILIDADE QUE, NOS APÓSTOLOS APROVADOS, O ESPÍRITO SANTO VIERA SELAR, isto é, da infalibilidade que, por ordem do Senhor, lhes vinha da assistência, da inspiração, do amparo, da proteção, do concurso permanente dos Espíritos Superiores, esquecendo-se, entretanto de chamar a si a herança de santidade, de virtudes e de elevação moral por eles deixada. Pretendeu ela, portanto, fazer uso de armas que era incapaz manejar: ter em suas mãos – vazias da pureza das mãos dos Apóstolos fieis. E MUITAS VEZES MANCHADAS, A CHAVE DA MORADA DE TODA A PUREZA. Assim repeliu os eleitos e acolheu os repelidos. Voluntariamente cega, mergulhou cada vez mais nas trevas que o orgulho e confiança em si mesma geraram. Ela despertará, porém, neste final de ciclo: a trombeta do Juízo Final vai retumbar para ela nos quatro cantos do mundo. Os Anjos do Senhor aparecerão em sua glória, não do modo por que ela o diz, nas sua errôneas interpretações, mas na glória da pureza. E os discípulos fiéis do Cristo, reencarnados para acabarem a obra que começaram VIRÃO AGORA LIGAR E RELIGAR NA TERRA, E O SENHOR LIGARÁ E DESLIGARÁ NO CÉU, POIS DELES É TAL MISSÃO E O JULGAMENTO NÃO SE ACHARÁ INQUINADO DE NULIDADE! Coragem, pois, filhos da nossa Igreja – A IGREJA DO SENHOR – porque breve esta o tempo em que o Mestre e os discípulos aparecerão de novo entre vós e vossos olhos desvendados verão O JUSTO nas nuvens do céu, em que ao Anjos (isto é, os Espíritos purificadores) descerão à terra, para vos estenderem seus braços fraternais. Entoai cantos de alegria, rejubilai, porque essa hora já se aproxima!



"A MISSÃO DOS APÓSTOLOS"
     Espírito da Verdade - Alziro Zarur

Jesus mandou que os apóstolos pregassem, primeiro, aos da sua nação “humana”, para que mais se apertassem os laços da fraternidade, da família e da pátria. Proibiu-lhes se munissem do que quer que fosse, a fim de que eles compreendessem bem que, missionários do Senhor, deviam tudo esperar dele no tocante às coisas da vida E NENHUMA IMPORTÂNCIA DAR AO BEM-ESTAR MATERIAL. Recomendou-lhes que abençoassem os lugares onde encontrassem boa acolhida e que sacudissem a poeira dos pés onde os repelissem, para os convencer de que por toda parte os acompanhava o Mestre, ligando o que eles (não os seus pretensos sucessores) ligassem e desligando o que eles desligassem. Jesus atuava humanamente sobre a imaginação humana de seus discípulos quando, ao pronunciar palavras positivas, se dirigia àqueles a quem falava. Ao mesmo tempo, aludia figuradamente à missão de todos os que, como os Apóstolos, seriam destacados para levar, de porta em porta, a Palavra de Deus. Dizemos figuradamente porque ELE TAMBÉM SE DIRIGIA ÀS GERAÇÕES FUTURAS, QUE VIRIAM COLOCAR-SE NAS CONDIÇÕES NECESSÁRIAS À EXECUÇÃO DESSA OBRA. MAS, SE O PREFERIS, PODEIS USAR O TERMO “PROFETICAMENTE”, SE BEM QUE AQUELA PROMESSA DEVERIA CUMPRIR-SE EM TODOS OS SÉCULOS. Se é certo que tem havido pastores infiéis ou falsos profetas, não menos certo é que sempre houve, também, guardas severos de seus rebanhos, praticantes da Moral que pregavam de coração limpo, não unicamente com os lábios. ESSES, SIM, É QUE SE PUNHAM E SE PÕEM NAS CONDIÇÕES DE LIGAR E DESLIGAR, NA TERRA COMO NO CÉU. VÓS OS CONHECEIS PELA VIVÊNCIA PERMANENTE DO NOVO MANDAMENTO DO CRISTO DE DEUS. Os discípulos tinham de espalhar a Verdade, como hoje vos cumpre a mesma tarefa. Ponde-vos, pois, a caminho, seguindo os verdadeiros discípulos do Salvador, que vos preparam as estradas. Entrai nelas resolutamente, porque está próximo o fim dos tempos!
"OS APÓSTOLOS DE JESUS"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur
Jesus, para os homens, subira a um monte, a fim de orar, e ali passara a noite, falando com Deus. Na realidade, porém, VOLTOU ÀS REGIÕES SUPERIORES DE ONDE PRESIDE A MARCHA DO VOSSO PLANETA E DISTRIBUIU AS ORDENS DO TODO-PODEROSO. Lá permaneceu enquanto esteve fora das vistas humanas. Quando amanheceu, tornando-se novamente visível e tangível, chamou os discípulos e procedeu, entre eles, à escolha dos doze apóstolos. Quanto os apelidos que lhes deu, TINHAM POR FUNDAMENTO O CARÁTER E A MISSÃO DE CADA UM DOS APELIDADOS. Entre os doze estava Judas Iscariotes, que traiu seu Mestre. Conforme vereis, pelas explicações que mais tarde daremos, JUDAS ERA UM ESPÍRITO ELEVADO EM INTELIGÊNCIA; MAS PEDINDO PERMISSÃO PARA AUXILIAR JESUS, SE ENCARREGARA DE UMA MISSÃO ACIMA DE SUAS FORÇAS. TOMARA UM PESO SUPERIOR AO QUE LHE ERA POSSÍVEL SUPORTAR, E POR ISSO FALIU. Quando chegar o momento, nós vos diremos como foi essa missão perdida, como lhe foi concedida e como foi ele arrastado a falir. Relativamente à cura das enfermidades e ao afastamento dos Espíritos obsessores, já recebeis todas as explicações. Finalmente compreendeis o que era A VIRTUDE QUE SAÍA DE JESUS: eram os fluidos que, por ato de sua vontade e do seu poder magnético, ele dirigia sobre os doentes – principalmente os que dele se aproximavam – para operar aquelas curas maravilhosas. E NENHUMA DELAS FOI MILAGRE.
"OVELHAS SEM PASTOR"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur

Os homens, entregues a si mesmos, precisavam ser grupados sob uma lei a que pudessem obedecer, porquanto a Lei de Moisés (apesar de todos os Mandamentos de Deus) se lhe tornara, no tocante às prescrições materiais, um jogo que repeliam, como fazeis hoje com o que, na Lei da Igreja, é obra meramente humana – os mandamentos humanos, as interpretações humanas que, fazendo aditamentos ao Decálogo e ao Novo Mandamento, os alteraram, falseando-lhes o sentido e a verdadeira aplicação. Ora, a multidão era grande. Dispondo de tempo limitado para estar entre os homens, Jesus concitava seus discípulos a reunirem em torno dele TODOS OS DE BOA VONTADE QUE PUDESSEM PREGAR A MORAL PURA, QUE ELE ENSINAVA. O Pastor vigilante precisava de outros pastores que fossem, por toda parte, arrebanhar suas ovelhas. Não nos cansaremos de repetir: TUDO TEM SUA RAZÃO DE SER. Tanto da parte dos incumbidos de continuar a obra de Moisés, como da parte da igreja encarregada de continuar a obra de Jesus, tudo o que ocorreu tinha de ocorrer, de acordo com os tempos e as inteligências, sob a ação e por entre as lutas da razão humana e do livre arbítrio do homem, a se debaterem nas mãos possantes do progresso. TUDO TEM SUA RAZÃO DE SER, CONFORME ÀS ÉPOCAS E A CADA FASE DA VIDA DA HUMANIDADE, QUE VAI RECEBENDO PROGRESSIVA E SUCESSIVAMENTE, EM CADA ERA, NOS TEMPOS PREDETERMINADOS PELO SENHOR E MEDIANTE UMA NOVA REVELAÇÃO, O DESENVOLVIMENTO E A EVOLUÇÃO ADEQUADOS AO ESTADO DAS INTELIGÊNCIAS. A hora da letra passou e, nos vossos dias, em que se abre uma era nova, Jesus – vendo (como ao tempo da sua missão terrena) todos os povos carregados de males e dispersos como OVELHAS SEM PASTOR - deles se compadece, e lhes dá o Espírito da Verdade. Nós vimos, em seu nome e por ordem do Senhor, repetir-vos as palavras que o Mestre dirigiu aos seus discípulos: A SEARA É GRANDE, MAS OS TRABALHADORES SÃO POUCOS. ROGAI, POIS, A DEUS QUE MANDE TRABALHADORES PARA A SUA SEARA. Tratai de reunir, em torno de vós, todos OS HOMENS DE BOA VONTADE, que possam pregar a moral que Jesus ensinou. Pastor vigilante, o Cristo convoca todos os pastores que possam arrebanhar as suas ovelhas, sejam quais forem suas crenças, em todos os cantos da Terra. Cristãos do Novo Mandamento, ide – guiados pelos Espíritos do Senhor – restaurar os ensinos do Salvador! Ide a todas as nações, e explicai-lhes a Nova Revelação, com as instruções daqueles Espíritos, virtudes do Céu que de lá se abalam para vos amparar; exortai a todos os vossos Irmãos, pela palavra e pelo exemplo, na ordem material, moral e intelectual, à prática do trabalho e da fraternidade, da Caridade e do AMOR UNIVERSAL. Tendes de reconduzir ao divino aprisco ovelhas desgarradas, que erram pelas charnecas do erro e da mentira, presas do fanatismo, da intolerância, da superstição, do despotismo religioso ou da incredulidade materialista. Ide e dizei que é chegada a hora do espírito que salva, formando UM SÓ REBANHO PARA UM SÓ PASTOR!
"O POSSESSO MUDO"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur
Exercendo uma ação fluídica sobre os órgão da voz, da palavra, é que o mau Espírito – obsessor daquele homem, a quem chamavam “possesso do demônio” – o tornava mudo, subjugando-o completamente. Da mesma forma que o obsessor do cego lhe paralisa a vista, como o obsessor do surdo lhe inutiliza o ouvido (cobrindo cada um desses órgãos com uma parte do fluido que o envolve e retirando-lhe, assim, momentaneamente, as faculdades), o obsessor do mudo também lhe paralisa a voz, privando-a da faculdade de falar. Jesus ordenou ao Espírito mau que abandonasse a vítima. Tendo-se afastado o obsessor, cessou a ação fluídica que produzia a mudez, e o mudo falou. A SUBJUGAÇÃO A QUE ESTAVA SUJEITO O HOMEM E A SUA CONSEQÜENTE MUDEZ ERAM, PARA ELE, UMA PROVAÇÃO E UMA EXPIAÇÃO. Quando observardes uma punição, procurai do outro lado o abuso, falta ou crime a cuja reparação ela se destina. O mudo, constrangido a guardar silêncio, quando as palavras e a ânsia de se exprimir lhe fervilhavam no íntimo, EXPIAVA UM ABUSO DE ELOQÜÊNCIA: ORADOR DE TALENTO, CONTRIBUÍRA PARA ARRASTAR MULTIDÕES A ERROS PROFUNDOS. Expiava, portanto, a sua leviandade. Mas a provação e a expiação da mudez lhe foram impostas por limitado tempo. Sofrera o castigo sem resmungar, resignado e paciente. Por isso mesmo, Jesus o libertou. A acusação dos fariseus e dos sacerdotes era análoga à que hoje procura atingir os conhecedores das Leis Espirituais. Não são eles acusados de manter relações com Satanás? Não é ao “demônio” que AINDA HOJE acusam de vos pregar o Novo Mandamento contra a “Igreja de Jesus Cristo”? Assim sendo, é fácil compreender a acusação que fizeram ao Mestre. “Se me odeiam a mim – disse Jesus – também vos odiarão a vós”. Caminhai, portanto, nas suas pegadas, firmando-vos na sua resposta que é irrespondível: “Se eu expulso demônios por Belzebu, por quem os expulsam vossos filhos? Por isso, eles mesmos serão os vossos juízes”. Por estas palavras, o Cristo aludia aos que, seguindo-lhe os passos, procuram purificar-se espiritualmente, expulsando os “demônios” pelo jejum e pela oração. Os verdadeiros CRISTÃOS DO NOVO MANDAMENTO são esses filhos dos homens que se purificam e se elevam acima de seus pais, pois se tornam seus juízes naturais, diante da LEI DE DEUS.
"QUANDO O HOMEM PODE CURAR"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur


Tudo é possível naquele que crê, como vos ensinou o Mestre. Para chegar, de modo seguro e previsto, a curar a cegueira, a surdez, a mudez, todos os males e enfermidades como os curava Jesus, é preciso que o homem, ao mesmo tempo, SE ELEVE ESPIRITUALMENTE E SE PONHA EM  CONDIÇÕES DE APRECIAR O VALOR DOS FLUÍDOS DE QUE SE POSSA SERVIR, DE CONHECER E DISTINGUIR A NATUREZA, OS EFEITOS E AS PROPRIEDADES DE AÇÃO DOS FLUÍDOS VIVIFICANTES, FORTIFICANTES E REPARADORES, DOS FLUÍDOS PURIFICADORES E REGENERADORES, PRÓPRIOS A DESTRUIR AS CAUSAS DE ENFERMIDADES E DOENÇAS, TANTO QUANDO ESSAS CAUSAS SEJAM INTERNAS PELO VICIAMENTO DO ORGANISMO, COMO SEJAM EXTERNAS.  Neste ultimo caso os fluídos purificadores e regeneradores destroem e devoram de pronto, com muito mais eficácia e muito melhor do que por meio de uma intervenção cirúrgica, as substâncias estranhas causadoras do mal. Os fluídos fortificantes e reparadores se destinam a destruir as causas de enfermidades de origem nervosa ou paralisante. Toda enfermidade que contribua, de maneira sensível, para modificar a existência ordinária do homem é PROVAÇÃO OU EXPIAÇÃO. A cegueira, quer permanente, quer temporária, é imposta – como provação ou expiação – segundo o grau de culpabilidade, aquele que recusou auxílio a seus irmãos, que abusou de suas faculdades, fossem eles quais fossem, e que assim ficou SUJEITO A SOFRER A PENA DE TALIÃO. Terá de viver na dependência dos outros e suportar as privações resultantes da ausência daquelas faculdades QUE FORAM SUA FORÇA E SEU ORGULHO EM EXISTÊNCIA ANTERIOR. Perguntais quanto à proibição, de Jesus aos dois cegos, de falarem da cura que neles acabara de operar. Pois bem: tinha por objetivo NÃO DAR A CRER AOS HOMENS QUE SE VALEU DE MEIOS HUMANOS, PRÓPRIOS A CRIAR UMA REPUTAÇÃO HUMANA. Aquele que tais coisas fazia proibindo que as divulgassem, não podia passar – aos olhos de seus irmãos – por ser um charlatão ou um homem comum, ávido de uma fama que atraísse doentes, tendo em vista vantagens mercantis. JESUS, EM CERTAS OCASIÕES, COMO QUE SE CERCAVA DE MISTÉRIO PARA QUE A FAMA DOS SEUS “MILAGRES” CRESCESSE, REALÇADA POR ESSA AURÉOLA FASCINANTE: PROCEDIA SEMPRE DE ACORDO COM AS CIRCUNSTÂNCIAS E COM O MEIO EM QUE SE ACHAVA. Os efeitos tirados das leis naturais então conhecidas deviam ter um alcance moral, MAS NEM TODOS ESTAVAM APTOS A RECEBÊ-LO NAS MESMAS CONDIÇÕES. Para uns a publicidade era necessária, outros acolhiam mais favoravelmente o que lhes contavam com a sombra do mistério. O grande talento do médico está em SABER APLICAR O MEDICAMENTO NA DOSE APROPRIADA A FORÇA DO DOENTE.
                              


"CEGOS CURADOS"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur
A cura dos cegos se operou como todas as outras curas materiais, anteriormente registradas: por ato da vontade do Cristo e por sua ação magnética. ELE FEZ CONVERGIR, SOBRE OS OLHOS DOS CEGOS E SOBRE OS ORGANISMOS DE AMBOS, OS FLUIDOS APROPRIADOS A NATUREZA E A CAUSA DA CEGUEIRA QUE OS HAVIA ATACADO. Se o Espírito condenado às trevas humanas, quer nascendo cego, quer cegando mais tarde, só tem de sofrer esta condenação, por um certo tempo, ele encontrará, ao longo do seu caminho, a luz de que se acha privado. Tais casos são raros; entretanto, quanto mais a Humanidade se purificar, menos longa e penosa será a expiação humana, e mais apto estará o homem para o emprego daqueles meios de cura que O SENHOR VOS COLOCOU NAS MÃOS E QUE AINDA DESCONHECEIS. O emprego dos fluidos magnéticos pode fazer cessar a cegueira, quaisquer que sejam a sua natureza e a sua causa, assim como a surdez e a mudez, mas somente no caso em que o Espírito haja de suportar apenas uma prova passageira E A SUPORTE DE MODO A OBTER DO SENHOR A SUA CESSAÇÃO. Se resmunga, se não a sofre com resignação e paciência, o castigo pode ser prolongado; e, neste caso, os meios de destruir o mal são postos FORA DO ALCANCE DO HOMEM. Não é impossível a este conseguir, acidentalmente, aquele resultado, por ato da sua vontade e pela ação magnética: mas, para isso, se faz mister que UMA GRANDE PUREZA DE TÃO GRANDE PODER, COM O AUXÍLIO (QUE, ENTÃO, NÃO LHE FALTARÁ) DOS ESPÍRITOS SUPERIORES, OS QUAIS PROCEDEM A ESCOLHA E LHE COLOCAM À MÃO OS FLUIDOS APROPRIADOS AO RESULTADO QUE DEVA OBTER. Tais casos são raros, dissemos antes, mais ficai sabendo: o Espírito, que haja sido condenado a sofrer apenas por um certo tempo as trevas humanas, achará no seu caminho Espíritos encarnados com a missão de pôr termo a essas provações ou expiações transitórias. O Senhor tudo prepara e prevê, a fim de que todas as coisas se passem como se devem passar. Por isso é que Jesus, falando aos seus discípulos dizia sempre: É PRECISO TER OLHOS DE VER E OUVIDOS DE OUVIR.

"MORTE E CATALEPSIA"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur


O Espírito não abandonara o seu corpo: apenas se ausentara, até que JESUS O CHAMOU, ordenando-lhe a volta imediata ao organismo da menina, Ele tivera permissão de prolongar sua ausência a fim de que o corpo tornando-se completamente inerte, apresentasse TODAS AS APARÊNCIAS DA MORTE. Para os homens, a filha de Jairo estava morta: esta era a aparência. Aos olhos de todos, a morte ali era positiva e indubitável. Na realidade, porém, NÃO HAVIA MAIS DO QUE UM ESTADO DE CATALEPSIA COMPLETA, um estado, portanto, de morte aparente, do modo a iludir os mais hábeis peritos. Havia, dissemos, inércia completa, isso é, suspensão de todas as sensações, de todos os movimentos, da vida em suma, com ausência de pulso, de respiração, de calor: aspecto cadavérico, insensibilidade física, material, tão profunda que as pancadas, mais ferimentos, NENHUMA IMPRESSÃO PROVOCARIAM NENHUMA CONTRAÇÃO, NENHUM SINAL DE VIDA. Vindo ao encontro de Jairo, seus servos lhe disse: “Tua filha morreu”. Mas ao que choravam e faziam grande alarido, Jesus disse: “Por que choras e vos afligis? A menina não está morta, apenas dorme”. Aos tocadores de flauta e as pessoas que faziam grande algazarra, falou: “Retirai-vos, pois a menina apenas dorme, não está morta.” E todos, diz o Evangelho, zombavam de Jesus, POR SABEREM QUE ELA ESTAVA MORTA. Ora, afastada a multidão, ele ordenou à menina: “Levanta-te!” E seu Espírito (ou Alma) – tendo voltado ao corpo, uma vez que ela não estava morta, pois apenas dormia – a menina se levantou imediatamente. “A menina não está morta – disse Jesus – apenas dorme” – esta é a realidade. Não havia ali, com efeito mais do que sono, sono natural ordinário o que não deveis ter dificuldade em compreender, pois sabeis que A AUSÊNCIA DO ESPÍRITO MERGULHA O CORPO NUM SONO PROFUNDO PELO DESPRENDIMENTO COMPLETO DO ESPÍRITO SE PRODUZ O ESTADO DE CATALEPSIA. Ao Espírito da filha de Jairo fora permitido ausentar-se, já o dissemos. Ele tivera uma permissão, não recebera uma ordem, porquanto. O ESPÍRITO NÃO PRECISA DE ORDEM PARA SE DESPRENDER DO CORPO; PRECISA, SIM, PARA ENTRAR NELE. O pássaro que se evade da gaiola apertada, onde definhava, não deseja voltar para a prisão. Procurai compreender, aqui, a posição do Espírito, considerando os atos humanos: o soldado que obtém uma licença qualquer sabe a que horas ela termina. Com mais forte razão, o mesmo se dá com o Espírito em condições semelhantes. Se o Espírito da filha de Jairo tivesse esquecido a volta, ou resistindo ao progresso, os Espíritos Superiores que o cercavam (vigilantes para que a ausência prolongasse pelo tempo necessário à realização, exata integral, da obra que Jesus tencionava realizar), certamente o teriam impedido de frustrar por essa forma. à execução do intento do Mestre. Aliás, semelhante resistência seria uma rebelião que de modo algum se verificaria contra a vontade do Cristo, acrescentando que aquele Espírito não podia pensar em tal. UMA VEZ QUE ACEITARA A MISSÃO QUE DESEMPENHOU. O estado de catalepsia em que a menina caiu é que deu causa à crença na morte real, e portanto numa “ressurreição”, no sentido que entre os homens esta palavra tem, se produziu porque estava nos desígnios do Senhor, que assim acontece PARA CUMPRIMENTO DA MISSÃO DE JESUS e para que desse os frutos que devia dar, naquele momento e no futuro, tudo o que, assinalou a passagem do Cristo pela Terra fora previsto e preparado, mediante as encarnações dos Espíritos que haviam de concorrer para a execução da sua obra de emissário do Senhor. Supondes que Deus possa esperar alguma coisa do que chamais EFEITOS DO ACASO? Repetimos, portanto: o Espírito da filha de Jairo não abandonara o corpo. Completamente desprendido deste, que estava imerso em profundo sono estava ele preso pelo cordão fluídico do perispírito, invisível aos olhos humanos. Graças a essa ligação do Espírito com o corpo, a vida neste continuava a ser mantida, mas estava suspensa pelo estado de CATALEPSIA COMPLETA, QUE DAVA AOS HOMENS A IMPRESSÃO DA MORTE REAL. Mas Jesus disse aos que o cercavam: “A menina dorme, não morreu”. Por ato da sua vontade poderosa, ele fez voltar o Espírito à sua prisão e, pela ação magnética, restituiu a saúde ao corpo da menina: assim é que houve o despertar e a mocinha foi curada. Para prender mais a atenção dos homens, mandou o Mestre que lhe dessem de comer. Quanto à presença dos tocadores de flautas, isso indica a observância de um costume hebraico, em situações como aquela. O rumor da “ressurreição” e do restabelecimento da filha de Jairo se espalhou por todo o país. Entretanto, Jesus ordenara aos pais da menina que a ninguém falassem do acontecido. A multidão, como sabeis, não entrara, pois o Mestre a deixara de fora. Qual o motivo da proibição? É que Jesus conhecia o que o futuro reservava: não queria que naquele momento, sua fama se estendesse até aos sacerdotes e levitas. O desprezo que uns e outros votavam á credulidade e a ignorância do povo os mantinha em guarda (no sentido de que NENHUM CRÉDITO LHES DAVAM) contra os fatos “milagrosos”, isto é, impossível para eles, de se produzirem e que a voz pública espalhava. Aspecto diverso, porém, tomaria o caso SE A “RESSURREIÇAO” DA FILHA DE JAIRO FOSSE ATESTADA PELO PRÓPRIO JAIRO, CHEFE DE SINAGOGA. Homem justo e estimado. Se a propósito da notícia emanada do povo, Jairo fosse interpelado, um pretexto qualquer lhe teria bastado para tapar a boca dos inquisidores. Entretanto, nada disso aconteceu: os sacerdotes e os levitas pouco se preocupavam com o que pessoalmente não lhes dizia a respeito e, sobretudo, com os falatórios do povo.
"A FILHA DE JAIRO E A HEMORROÍSSA"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur

Aí tendes a consolação de um pai; um exemplo de fé oferecido à multidão; a continuação, em suma, por parte do Cristo, daquela vida de ensinamentos no desempenho da sua missão terrena. Quanto a cura da hemorroíssa, Jesus a operou pelos meios que conheceis, pelo seu PODER MAGNÉTICO. Sempre envolto em fluidos vivificantes, o Mestre, os distribuía pelos que deles necessitavam. Quanto aos fluidos de que se serviu, para estancar o fluxo sanguíneo, ainda nada vos podemos dizer, por vos ser impossível entrar no CONHECIMENTO DAS COMBINAÇÕES FLUÍDICAS. O HOMEM AINDA NÃO SE ACHA CAPAZ DE COMPREENDER A NATUREZA DOS FLUIDOS, SEUS EFEITOS E SUAS PROPRIEDADES DE AÇÃO. Jesus dispunha dos fluidos vivificantes e reparadores: basta-vos isto, por enquanto. A pergunta “Quem me tocou?” (pergunta que, feita pelo Mestre, pode causar estranheza) ele a formulou intencionalmente, para provocar, diante da multidão, a confissão da mulher e, assim, tornar patente a todos o “milagre”. Tudo tinha a sua razão de ser, velado pela letra, até ao advento de nova Revelação.
"VINHO VELHO É MELHOR"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur


Nenhuma contradição. A Igreja que os homens fizeram tem de ser transformada, bem o sabeis, Portanto, vós – CRISTÃOS DO NOVO MANDAMENTO – preparai os materiais que vão servir para a restauração, em Espírito e Verdade, das Leis Divinas, substituídas por preceitos humanos. Em verdade, os obreiros do Senhor, encontraram talhadas as primeiras pedras, já iniciaram a construção do edifício. O VINHO NOVO E O OBRE NOVO SE CONSERVARÃO PELA NOVA FÉ, NOVA NO SENTIDO DE QUE AVANÇARA POR ESTRADA MUITO DIVERSA DA QUE SEGUE A IGREJA HUMANA. Sim, Jesus afirmou: “Não há quem, bebendo vinho velho, prefira o novo, pois diz: o velho é melhor”. Entendei o sentido alegórico destas palavras do Cristo. Veladamente, ele se referia a era nova do Paráclito. O VINHO VELHO QUE DEVE SER PREFERIDO É O QUE JÁ SE DESPOJOU DE TODOS OS CORPOS ESTRANHOS, É AQUELE QUE, COLOCADO EM ODRES NOVOS, NESTES ENVELHECEU, TORNANDO-SE INCOMPARAVELMENTE MELHOR. Quando pois, vós outros, da nova geração, tiverdes deixado fermentar nos vossos corações os desdobramentos, que trazemos, da DOUTRINA AUTÊNTICA DO CRISTO, podereis dar a vossos irmãos, para que o saboreiem, O VINHO VELHO QUE SERÁ PREFERIDO AO RECENTE. Se é que sois odres novos, recebei o vinho novo tal como em vós o despejam os Espíritos do Senhor. Não deixeis que altere, vicie, corrompa, obstando a fermentação que vos purifica as almas de suas leveduras. Toda doutrina fora da Lei do Amor e da Caridade, que Jesus pregou e ainda manda pregar; os erros em que esforçam por vos mergulhar os cegos ou interesseiros, erros que são vinho novo adulterado, falsificado, a fermentar em alguns cérebros, enlouquecendo-os – eis o que impediria o vinho novo de envelhecer, ou o alteraria e corromperia em vós, arrastando-vos a atos de demência, Daí pois, o exemplo a vossos irmãos, PRATICANDO OS ENSINOS DOS ESPÍRITOS DO SENHOR, QUE ELES EXPLICAM EM TODA A VERDADE, SEM NENHUM SECTARISMO, A LUZ DO NOVO MANDAMENTO. Solidários, ligados sempre pelos sagrados laços da Caridade recíproca, preparai o advento do Amor Universal, o Amor tão velho quanto o Novo Mandamento do Redentor da humanidade. Então, emocionados e atraídos por esse vinho divino vossos irmãos terão a gloria de dizer: O VELHO É MELHOR, Sim, PORQUE O VELHO ESTÁ REALMENTE VELHO, EMBORA MUITOS O CONSIDEREM NOVO. POIS O QUE HOJE VOS PREGAMOS NÃO É O MESMO MANDAMENTO QUE HÁ DOIS MIL ANOS JESUS VEIO TRAZER? Que pretendemos nós senão fazer-vos voltar ao principio do Evangelho, em busca desse vinho que há dois mil anos, espera que todos o saboreiem? Ele é NOVO no sentido que está sempre atual, apropriado pela Nova Revelação, aos vos que devem conter. Ide e pregai, dizendo que, sem este NOVO MANDAMENTO, não há mais Bíblia, nem Evangelho, nem Apocalipse. ELE É A CHAVE DA VIDA E A CHAVE DA MORTE!
"A IGREJA DO CRISTO"
(Espírito da Verdade - Alziro Zarur)
O jejum moral, O ÚNICO QUE DEUS EXIGE, consiste em a criatura não se submeter, nunca, aos seus maus instintos, por mais agradável que isso lhe pareça; em infligir humilhações à natureza animal, tendo por fim o adiantamento de seus irmãos, constituindo exemplo para eles; em não se entregar a ato algum de culposa leviandade; em não se dar a excessos de qualquer natureza. NÃO JULGUEIS SEJA “MUITO PENOSO” PARA O HOMEM VIVER TRANQUILAMENTE DIANTE DE DEUS: BASTA-LHE ESTAR COM A SUA CONSCIÊNCIA EM PAZ E SATISFEITA, PARA TER A FORÇA E A SAÚDE DO CORPO. De onde provém, senão dos excessos de toda ordem a que sujeitais os vossos corpos, a degeneração das raças humanas? Que é que produz o apoucamento da inteligência do homem senão o arrojo desavergonhado das suas idéias, o desejo imoderado de saber prematuramente mais do que lhe deve ser dado? Formais uma sociedade; portanto, vivei em sociedade. Sede solidários e bons aos olhos do Pai. Não procureis o luxo material que enerva nem adquirir, desequilibradamente, a ciência que desvaira. Jesus não pretendeu impor – E NÃO IMPÔS – A OBRIGAÇÃO DO JEJUM MATERIAL. Ele disse: “O que mancha o homem não é o que lhe entra no corpo, já que isso não lhe vai ao coração e é lançado fora. O que mancha o homem é o que lhe sai do coração: são os maus pensamentos, as más palavras, as más ações, os vícios que degradam a Humanidade, AS INFRAÇÕES DA LEI DIVINA CONSIGNADA NO DECÁLOGO E NO NOVO MANDAMENTO DE JESUS, O ÚNICO REPRESENTANTE DE DEUS EM TODAS AS ÉPOCAS DA HUMANIDADE. Os mandamentos humanos relativos ao jejum material, prescrevendo a privação de alimentos ou só permitindo – em determinados dias e em determinadas épocas – certas espécies de alimentos, FORAM E SÃO INÚTEIS PARA O HOMEM DE INTELIGÊNCIA E DE CORAÇÃO. JAMAIS O SENHOR LHE IMPÔS OBEDIÊNCIA A TAIS “MANDAMENTOS”. Entretanto, tiveram sua razão de ser. A observância desses preceitos, por mais ridículos que sejam em si mesmos, foi um freio posto aos excessos da gula e da luxúria, nas épocas em que somente as leis materiais podiam dominar a matéria. Sujeitando o corpo a um regime rigoroso, elas lhe diminuíam as forças animais e, assim, se continham muitos abusos. Mantendo as prescrições materiais do jejum e da abstinência, a igreja humana se conservou contemporânea dos escribas e fariseus: impõe um fardo pesado, que já não é necessário. Não quis caminhar com a Humanidade, e hoje está distanciada desta. Mas TUDO VOLTARÁ AOS SEUS EIXOS, PORQUE DEUS ASSIM O QUER, E SUA VONTADE É IMUTÁVEL. Os versículos 16 e 17 de Mateus, 21 e 23 de Marcos, 36 e 39 de Lucas – encerram alegorias espirituais. Aos homens daquele tempo, e às gerações que se seguiram até aos vossos dias, precursores de novas Revelações, se referia Jesus quando falava da roupa velha, incapaz de receber REMENDO DE PANO NOVO; quando falava de velhos odres, dos quais o vinho novo – rebentando-os – escaparia, ficando um e outros perdidos. Quer isso dizer que AQUELES HOMENS ERAM INCAPAZES DE RECEBER, aceitar e conservar uma nova Revelação que, assim, ficava reservada para os tempos vindouros, para quando chegasse o momento de cumprir-se a sentença. A LETRA MATA, O ESPÍRITO VIVIFICA. Só a reencarnação e os séculos – expiação, reparação e progresso – poderiam preparar as inteligências e os corações de maneira a fazer deles ODRES NOVOS, CAPAZES DE CONSERVAR O VINHO NOVO. Ignorantes, materiais, obstinados nos seus preconceitos e tradições, os homens daquele tempo teriam sido esmagados pelo peso de um fardo para eles insuportável: ou alijariam dos ombros esse “fardo” ou cegariam ante o brilho de tão viva Luz. Por isso lhes convinha, primeiro, a linguagem da parábola, o regime da letra, sujeita a interpretações humanas e materiais, a fim de que os necessários esforços e as lutas constantes do pensamento PREPARASSEM O ADVENTO DO ESPÍRITO. Constituem o vinho novo os ensinos de Jesus através dos Espíritos do Senhor, que vêm dispor as coisas de modo a ter fim o mundo moral do erro e da mentira. Esses Guias Espirituais vêm explicar, tornar compreensível e desdobrar, em Espírito e Verdade, a Lei simples e sublime do Cristo, tirando da letra o espírito, libertando-a das falsas interpretações que lhe deram, e que a alteraram ou desnaturaram, impedindo-a de produzir os seus frutos. É o que significa esta frase do Mestre: “O VINHO NOVO DEVE SER POSTO EM ODRES NOVOS, PORQUE ASSIM TUDO SE CONSERVA. Os odres novos são os verdadeiros cristãos, aqueles que vivem o Novo Mandamento, que fará rebentar o odre velho, incapaz de resistir à fermentação das Novas Revelações. Sim o odre velho ainda existe em vossos dias: são aqueles que, cegos e interesseiros, bebendo em fontes impuras ou falsificadas, procuraram, procuram e procurarão entravar a Igreja do Cristo, cujo templo é o vosso planeta e a qual todos os homens serão fiéis brevemente, quando a RELIGIÃO DE DEUS estiver acima de todas as religiões dos homens.



"O QUE´É JEJUM MORAL"
Espírito da Verdade - Alziro Zarur



R – O jejum moral, O ÚNICO QUE DEUS EXIGE, consiste em a criatura não se submeter, nunca, aos seus maus instintos, por mais agradável que isso lhe pareça; em infligir humilhações à natureza animal, tendo por fim o adiantamento de seus irmãos, constituindo exemplo para eles; em não se entregar a ato algum de culposa leviandade; em não se dar a excessos de qualquer natureza.